Gerenciamento da DPOC

O gerenciamento cada vez mais visa a qualidade de vida e independência dos indivíduos acometidos.

O gerenciamento da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) consiste em reduzir os sintomas e retardar a progressão da doença, além de reduzir as hospitalizações e exacerbações do quadro. A DPOC não tem cura e o gerenciamento cada vez mais visa a qualidade de vida e independência dos indivíduos acometidos.

Diferentes maneiras de gerenciar a DPOC

A estratégia de gerenciamento consiste em controlar os sintomas, reduzir a frequência e gravidade das exacerbações e reduzir o risco de hospitalização. Antes da fase de insuficiência respiratória, o manejo terapêutico é baseado nos seguintes eixos:

  • Pare de Fumar
    Parar de fumar é o primeiro fator para impedir a progressão da doença.

  • Pratique Atividade Física
    Desenvolvimento de atividade física e monitoramento de peso.

  • Vacine-se
    Vacinação contra gripe e pneumococo para prevenir infecções pulmonares.

  • Reabilitação respiratória
    é indicada em algumas condições

  • Broncodilatadores +/- LTOT - seguido de ajuda a reduzir os sintomas da DPOC

Mais sobre a reabilitação respiratória

Reabilitação respiratória

É indicada nos casos de dispneia (sensação de falta de ar) ou quando a pessoa apresenta diminuição nas atividades diárias e intolerância aos exercícios. Nessas condições, a reabilitação respiratória traz muitos benefícios: melhora a qualidade de vida, proporcionando maior tolerância ao esforço, reduz a dispneia, a ansiedade e até a depressão associada à DPOC, além de diminuir o número de hospitalizações.

A reabilitação respiratória é baseada no atendimento integral por equipe multiprofissional. É organizada uma série de 12 a 20 sessões, incluindo atividade física (musculação, exercícios de estresse), fisioterapia respiratória e educação terapêutica. 

A reabilitação respiratória traz muitos benefícios

Quando a DPOC evolui para insuficiência respiratória crônica...

Quando a DPOC evolui para insuficiência respiratória crônica e constitui uma situação incapacitante para a pessoa, o médico pode prescrever a oxigenoterapia domiciliar de longa duração. Nesse estágio avançado, o enfisema nos pulmões leva a problemas reais de oxigenação do sangue. Incapazes de garantir as trocas gasosas com o ar inspirado, os alvéolos não permitem mais a distribuição de oxigênio para o corpo (hipoxemia).

O tratamento de oxigenoterapia de longo prazo (+/- LTOT) pode auxiliar na manutenção dos níveis normais de oxigênio no sangue através de administração de ar enriquecido com O² proveniente de recipientes de oxigênio puro ou fontes de concentradores de oxigênio.

A DPOC envolve atenção multiprofissional abrangente e requer a coordenação de diferentes profissionais de saúde, bem como dos setores social e médico-social. 

Mais sobre

Referências

1.Global Initiative for Chronic Obstructive Lung Disease. Global Strategy for the diagnosis management and prevention of chronic obstructive pulmonary disease. Mis à jour en 2017; disponible sur http://goldcopd.org/gold-2017-global-strategy-diagnosis-management-prev
2. ERS. Chronic obstructive pulmonary disease in: European lung white book. Disponible sur
3. http://www.erswhitebook.org/chapters/chronic-obstructive-pulmonary-dise
4.http://www.who.int/gard/publications/chronic_respiratory_diseases.pdf
5. www.who.int/mediacentre/factsheets/fs310/en/
6. OMS. Bronchopneumopathie chronique obstructive (BPCO). Aide mémoire N°315, octobre 2014. Disponible sur www.who.int/mediacentre/factsheets/fs315/fr/; consulté le 05/11/2014